Qual o efeito da alta dos juros no mercado de capitais

Qual o efeito da alta dos juros no mercado de capitais?

O mercado de capitais está atrelado a diferentes indicadores, como a taxa de juros. Por isso, movimentos nos índices econômicos podem afetar os resultados dos investimentos diretamente — e é o que acontece com o cenário de alta de juros.

Nesse contexto, tanto o investidor quanto as empresas emissoras dos investimentos podem ser afetados pelo crescimento da taxa. Ao conhecer os impactos dessa situação, é possível tomar decisões mais estratégicas e buscar melhor aproveitamento das oportunidades.

Quer saber mais? Na sequência, descubra como a alta dos juros afeta o mercado de capitais e veja o que fazer a respeito!

O que é a taxa de juros e como ela se movimenta?

A Selic também é conhecida como a taxa básica de juros da economia brasileira. Ela representa uma taxa de referência e influencia diversos outros índices do mercado.

Essa taxa é um instrumento da política monetária do Banco Central (Bacen). Sua definição é feita pelo Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne a cada 45 dias para determinar o movimento a ser adotado: alta, queda ou manutenção do valor da Selic.

As alterações da Selic, por sua vez, costumam ser um reflexo do cenário econômico. Assim, a equipe do Bacen define a taxa a partir dos resultados de interesse para o país. Por exemplo, quando a intenção é facilitar o acesso ao crédito e aquecer a economia, a Selic é reduzida.

Já quando a intenção é conter o avanço da inflação, é definido um aumento para a Selic. Isso faz com que a economia contraia, mas também torna o crédito mais caro e diminui a circulação de papel-moeda, aliviando a pressão sobre os preços de produtos e serviços.

Quais são os efeitos da alta de juros no mercado de capitais?

Como você viu, a alta da taxa Selic pode ser um movimento de resposta a uma condição financeira específica, como a inflação alta. Esse é um cenário que ajuda a explicar o avanço da Selic entre 2020 e 2021, por exemplo.

Em 2020, a taxa chegou à mínima histórica de 2% ao ano. Em 2021, por outro lado, a Selic fechou o ano a 9,25% — depois que a taxa de inflação alcançou 10,06% ao ano. Em um cenário como esse, o mercado de capitais também é afetado.

Isso acontece, principalmente, porque os investimentos financeiros costumam estar atrelados — direta ou indiretamente — à Selic. Porém, os efeitos são sentidos de formas diferentes entre investidores e emissores de títulos de renda fixa, por exemplo.

Por isso, veja como cada uma dessas partes é afetada pela alta de juros e entenda o que deve ser avaliado!

Efeito da alta dos juros para o investidor

O investidor de renda fixa, em geral, tende a ser beneficiado com a ascensão da curva de juros. O motivo está relacionado ao rendimento dos investimentos das aplicações. Com a Selic em alta, a tendência é que os títulos passem a render mais.

Por isso, é possível explorar o efeito dos juros compostos para fazer o dinheiro render e aproveitar esse avanço. Por outro lado, a tendência de aumento da Selic pode ser prejudicial para quem deseja resgatar antecipadamente títulos prefixados e híbridos.

Esses títulos apresentam chance de prejuízo em um cenário de alta dos juros, porque eles tendem a perder valor se forem vendidos antes do vencimento. Logo, o investidor precisa ter atenção se vale a pena tomar essa decisão de antecipar o investimento.

Efeito da alta dos juros para as empresas

Muitos títulos de renda fixa são emitidos por empresas, como títulos de dívida onde os investidores são os credores. Com a alta da Selic, a tendência é que essas aplicações se tornem mais caras, elevando o custo geral da dívida.

Pense, por exemplo, em um título pós-fixado emitido por uma empresa. Se a Selic aumentar no período até o resgate, será necessário pagar um valor maior em comparação ao que seria pago no início.

Porém, é preciso considerar que os juros de outras formas de crédito também se elevam. Como a Selic serve como base para outras taxas, os juros de financiamentos e empréstimos bancários ficam maiores. Logo, ainda assim tende a ser vantajoso para a empresa recorrer ao mercado de capitais.

A queda da Selic, por outro lado, faz com que as dívidas fiquem mais baratas. Nesse cenário, a renda fixa pode ficar menos atraente, o que pode aumentar a dificuldade de captar investidores interessados no título de dívida.

Por isso, a condição ideal para uma empresa é uma taxa de juros crescente perto da emissão. Afinal, ela torna a renda fixa mais interessante ao investidor. Ao mesmo tempo, seria interessante que a Selic passasse por uma queda até o vencimento, no caso dos títulos com juros pós-fixados —garantindo que a operação seja mais barata.

Por que é importante entender essa movimentação do mercado?

Até aqui, você entendeu o que significa a alta de juros e como ela pode impactar o mercado de capitais. Conhecer esses movimentos é relevante para a definição da estratégia de investimento e para a realização de operações.

Para o investidor, compreender a tendência de alta de juros pode ajudá-lo a identificar o melhor momento de adicionar um investimento à sua carteira. A informação também é útil para avaliar onde pode ser melhor investir com a Selic alta.

Para a empresa, é importante considerar os impactos da alta de juros para ponderar a captação de recursos. Dependendo do cenário, pode ser interessante aproveitar o período para a emissão de títulos pós-fixados ou híbridos se houver a expectativa de queda até o vencimento, por exemplo.

Já se a expectativa for de crescimento e for necessário fazer a emissão, pode ser interessante buscar uma opção de investimento prefixado. Assim, a empresa tem mais controle sobre o que será pago aos investidores.

Como você pode ver, compreender o impacto do movimento da Selic e o que ele causa nas finanças permite que o negócio entenda a melhor maneira de captar recursos para se expandir, sem gerar um endividamento excessivo.

Considerando que os juros altos tornam a renda fixa mais atraente, pode ser mais interessante emitir um título do que fazer a estreia na bolsa de valores. Já se a perspectiva é de aumento dos juros no médio prazo, pode valer a pena emitir um título com prazo menor, como a nota comercial.

Conclusão

Ao chegar até aqui, você entendeu que a alta de juros pode ter efeito direto para investidores e para empresas emissoras de títulos. Ciente dos movimentos da Selic, é possível tomar decisões mais alinhadas aos seus objetivos!

Gostou de conferir essas informações? Fale conosco da Laqus e conheça nossas soluções!

Acompanhe:

Endereço: Av. Pedroso de Morais, 433 - 9º andar - São Paulo - SP - E-mail: contato@laqus.com.br

O seu endereço de e-mail será usado com a finalidade de uma oportunidade, notícia sobre nosso ecossistema
e contato da Laqus. encarregado pela LGPD para: Laqus Ltda - Andréa Vilalba - Telefone: (11) 3522-4022