Quem
Somos

Desde 2010 atuando no mercado, atualmente a Laqus controla as operações das maiores tesourarias corporativas da América Latina, somando mais de R$ 310 bilhões em seu ecossistema. A missão do grupo é tornar as decisões financeiras mais fáceis, rápidas e seguras, garantindo maior eficiência na gestão dos nossos clientes.

Chegamos para dinamizar a economia com produtos simples e digitais, transformando a relação das empresas com as soluções financeiras, uma nova era entre emissores e investidores.

Monitor

Uma solução para gestão de risco e de operações financeiras como emissões de mercado de capitais, financiamento, derivativos e investimentos. Tudo em um só lugar.

Covenants

Uma solução única para controle das obrigações relacionadas às operações financeiras, como pagamentos ordinários e extraordinários, relatórios ambientais, auditoria ESG, envio de demonstrações financeiras, acompanhamento de obrigações diversas incluindo estatutárias ou operacionais e outras tantas relacionadas aos dos mais variados tipos de dívida.

IMF Digital

Primeira infraestrutura de mercado financeiro (IMF) verdadeiramente digital e voltada à economia real, robusta e segura para títulos de dívidas privados, trazendo mais transparência nos custos de emissão, sob a ótica da empresa, e de percepção de risco, sob a ótica do investidor. Por meio da tecnologia, entregamos muita agilidade e facilidade ao acessar recursos do mercado de capitais.

Nossos Clientes

“Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry’s standard dummy text ever since the 1500s, when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book.”

Allan P. Franck
Head Farmer, GlobalTech

Conheça Nosso Blog

Fique por dentro de notícias, análises do mercado financeiro e tenha as principais dúvidas esclarecidas em artigos feitos sob a curadoria da equipe Laqus.

NA MÍDIA – Suno | Janeiro de 2022

Se você não frequenta bares da região da Faria Lima ou do Leblon, é provável que nunca tenha ouvido falar sobre o tamanho do mercado americano de Commercial Paper.

São quase US$ 2 trilhões de carteira e até o Fed (Federal Reserve), o banco central americano, é participante ativo, comprando e vendendo esses títulos. Mas por que ele é tão grande?

Simples: por lá, as empresas usam-no como um instrumento muito eficaz de captação de recursos de curto prazo, essencialmente capital de giro, o que por si só já representa um grande volume. Porém, some-se a isso a grande oferta de dinheiro (equivalente à liquidez) por Money Market Funds e temos o papel trocando de mãos rapidamente, o que gera dinâmica de financiamento via mercado de capitais à economia real.

Trago elementos do mercado americano de capitais, mais desenvolvido do que o nosso, para mostrar que temos um enorme potencial em nossas mãos agora. Em agosto do ano passado, foi aprovada a Lei 14.195, que regula a Nota Comercial, equiparável ao Commercial Paper. Daí o exemplo, justamente por poder dar a flexibilidade que a empresa precisava somada à segurança jurídica que faltava ao investidor para que este mercado decolasse no Brasil.

Entre os principais benefícios para as empresas em relação ao crédito por meio de instrumentos bancários, como a CCB, está a eficiência do IOF. Só aqui já há uma economia de cerca de 2%. Além da eficiência financeira, temos a maior celeridade e a menor burocracia necessária para uma emissão do que debêntures e pode ser emitida por sociedade limitada ou anônima. É um tipo de título que qualquer FIDC ou mesmo bancos deveriam usar desde já no lugar das CCB, por exemplo, tanto pelo custo quanto pela condição de liquidez.

O desenvolvimento do mercado deste título também compete a quem provê infraestrutura, pois é preciso ter em mente que se trata de um negócio em que se pode ganhar muito na escala, mas é preciso ser menos ganancioso a cada operação em termos de custo para viabilizá-lo. Será que a fábrica de artesanato do mercado local, que cobra alto para customizar cada operação, encara este desafio?

NA MÍDIA  Suno, dezembro de 2021

É comum ouvir de empresas, inclusive as de médio porte, que a captação de recursos no
mercado de capitais é só para “gente grande”. Até aquelas fora do eixo RJ-SP, mesmo maiores,
sentem-se intimidadas, tanto pelas siglas quanto pela linguagem com termos chiques em
língua estrangeira e afins.

O curioso é que muitas dessas empresas teriam boas condições de acessar recursos de fundos
de renda fixa privada, por exemplo, e despertariam grande interesse de Family Offices – só
para ficar em um perfil de investidor mais adepto ao risco. Normalmente, as boas condições
são determinadas pela característica média do perfil de endividamento da empresa brasileira
que não de grande porte, o que seria concentrada em crédito bancário, com maiores spreads e
mais curto prazo.

Mas, se as condições são boas e há interessados nesta desintermediação do crédito que só os
bancos conhecem hoje, por que é difícil a popularização dessa fonte de recursos? Na minha
visão, pela junção de três fatores:

1) Educação financeira: o desconhecimento e a desinformação dificultam o entendimento
do que pode ser o benefício econômico para a companhia, mantendo-a nas linhas
convencionais de crédito.

2) Liquidez: cada vez mais, gestoras de recursos e fundos interessados em renda fixa
privada têm surgido, o que cumpre um papel fundamental de liquidez tanto em
mercado primário, para grandes emissões ou de risco mais elevado, como para o
mercado secundário. Isso permite que pessoas físicas, ao investirem nesse tipo de
operação, possam reaver seus recursos antes do vencimento da operação.

3) Capilaridade: há recursos para serem alocados, mas os gestores desconhecem as
empresas. As empresas, por sua vez, desconhecem os gestores e seus critérios para
liberação de recursos. É preciso uma rede ampla de atendimento para que as duas
pontas se encontrem.

Acredito muito que a capilaridade é o fator crítico de sucesso para o crescimento mais
acelerado da participação desta fonte de recursos junto a empresas médias, no mínimo.
Informá-las sobre a forma e em quais condições poderiam acessar o mercado de capitais,
tendo a tecnologia disponível hoje como grande alavanca, melhora a educação, o que fomenta
a liquidez e retroalimenta os agentes que entregarão essa capilaridade.

NA MÍDIA – Revista Healthers | Março de 2015

Sabemos que no Brasil o regime é de taxas de câmbio flutuante. Isso as vezes nos pega desprevenidos, com a moeda brasileira se apreciando e depreciando fortemente, principalmente em relação à moeda americana, o dólar. Mas há como neutralizar os efeitos desta variação no fluxo de caixa?

A resposta é: sim, há meios para tirarmos a volatilidade do fluxo de caixa, do resultado e até do patrimônio líquido, a depender da moeda de contabilização da companhia. Hoje o mercado financeiro brasileiro tem instrumentos seguros de proteção, denominados Instrumentos de Hedge, que podem dar este efeito nas demonstrações financeiras e facilitar a gestão diária das empresas expostas à moeda estrangeira.

No setor de saúde, com um alto índice de equipamentos importados, é comum o financiamento à importação (FINIMP), uma linha de crédito provida pelos bancos para ajudar as empresas deste mercado em seu planejamento de caixa. Este tipo de financiamento é indexado à moeda estrangeira e, consequentemente, deixa a companhia exposta às variações da moeda para a data de pagamento prevista. Porém, uma simples operação de proteção chamada Termo de Moedas (ou Forward, como queiram) pode prefixar a taxa de câmbio no momento da contratação do empréstimo.

Colocando de forma mais didática, junto à contratação do FINIMP a empresa faz a compra a termo de moeda, fixando na data da contratação do empréstimo a taxa de câmbio pelo qual a sua importação será paga na data de vencimento. Isso traz previsibilidade ao fluxo de caixa e permite um melhor planejamento de caixa, controlando com maior assertividade a sua disponibilidade de recursos sem comprometer a liquidez em caso de depreciação da moeda nacional.

Há outras opções como o Swap, por exemplo. Caso a empresa não tenha a intenção de prefixar uma taxa de câmbio, mas sim indexar a sua dívida tal qual o seu caixa, é possível fazer a troca da variação cambial pela variação do CDI, indexando sinteticamente a dívida ao CDI.

Cumpre destacar que há efeitos tributários e contábeis diferentes por instrumento e que devem ser considerados na estratégia de proteção de cada empresa. Hoje, com a adoção das normas internacionais de contabilidade no Brasil, o desafio de executar uma política de proteção a riscos de mercado é equiparável à complexidade de seu controle.

O que por hora favorece as empresas, não só do setor de saúde, ainda é o baixo grau de conhecimento que as auditorias possuem em instrumentos financeiros em geral, confiando plenamente naquilo informado pelos bancos. Esta é uma prática que não deve ser seguida em absoluto, já que por diversos normativos do Banco Central os bancos são obrigados a contabilizar as operações de derivativos considerando o risco de crédito do cliente, ou seja, provisionando perdas. Ao contabilizar os valores informados pelos bancos, as empresas estão colocando os efeitos de seu próprio risco de crédito em seu resultado, em prejuízo ao acionista.

Enfim, maneiras de se proteger dos riscos de mercado existem há muito tempo e são plenamente acessíveis. A questão central é definir claramente qual o objetivo daquela proteção, medi-la como tal e garantir boa eficiência em termos de controle para que ao final da operação de proteção não se julgue a estratégia de forma isolada, mas sim considerando aquilo que se pretendia originalmente proteger e os efeitos conjuntos disso.

Artigo publicado originalmente na Revista Healthers, em março de 2015.

NA MÍDIA – FORBES | Dezembro de 2020

A empresa de tecnologia Laqus, (antiga Mark 2 Market) recebeu autorização do colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para operar como central depositária. A decisão foi tomada em reunião realizada na última terça-feira, 8, e possibilita à companhia atuar como depositária de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), título que movimenta R$ 43 bilhões no País. Atualmente, a B3 é a única companhia autorizada a operar neste mercado.

O processo de autorização da Laqus teve início em 2018 e a empresa deve ainda cumprir condições pré-estabelecidas pela CVM para entrar em operação. A empresa hoje controla quase R$ 300 bilhões em sua plataforma, ajudando securitizadoras e emissores do mercado de capitais na gestão de dívidas, derivativos e aplicações. No mercado de CRA, o volume de transações controlado pela empresa é de aproximadamente R$20 bilhões.

Fundada em 2010 pelo paulistano Rodrigo Amaro, a Laqus (antiga Mark 2 Market)pretende num segundo momento avançar sua oferta para CRIs (Certificado de Recebíveis Imobiliários), debêntures e, no futuro, outros valores mobiliários, como ações.

Fonte: IstoÉ.

NA MÍDIA Suno | Outubro de 2021

O país passa por um momento político conturbado, com a discussão sobre o teto de gastos tendo de um lado a agenda social e, do outro, a da responsabilidade fiscal perante o mercado.

Chegamos a esta discussão pois a pauta reformista do governo não encontrou endosso da ala política e, no caso, a reforma tributária não criou espaço no orçamento (também conhecido como aumento de impostos) para novas despesas — o que deu asas à imaginação da equipe econômica na forma como o rompimento do teto de gastos seria vendido ao mercado. Alguns desertaram no caminho, por divergir da forma e, talvez, do conteúdo também.

Enfim, esta instabilidade dá razão àqueles que dizem que no Brasil até o passado é incerto. Temos visto um mercado de capitais muito movimentado no ano de 2021 e, em especial, a renda fixa privada ainda batendo recordes de volume de emissões. Acontece que, neste período de fim de ano, podemos presenciar um novo boom de emissões, fruto do medo desta mudança do passado.

Sugeriu-se no texto da reforma tributária a tributação de reservas de lucros que fossem distribuídas a partir de janeiro de 2022, e aí quem à época optou por não distribuir está hoje buscando uma saída para evitar o novo tributo sobre o velho lucro.

Uma das maneiras que as empresas estão encontrando para viabilizar a distribuição é recorrer ao mercado de capitais para fazer novas emissões, que podem ser subscritas pelos próprios acionistas das companhias. Ou, então, que estes novos recursos recomponham o caixa das empresas e permitam a distribuição neste ano, antes da tributação. Fiscalmente eficiente, a operação tem encontrado empresários inseguros estudando a alternativa.

Se queremos um mercado de renda fixa privada pujante e líquido, devemos dar a segurança jurídica aos investidores de forma ampla, e não seletiva. Prejudicar a capacidade de pagamento das empresas ou alterar premissas de viabilidade de estruturas de capital vigentes não é colaborar com este desenvolvimento do mercado. Quem sabe dessa vez pensaremos apenas no futuro fiscal do país sem alterar o passado, mas isso só o tempo (e o Congresso) dirá.

NA MÍDIA – Veja | Dezembro de 2020

A empresa de tecnologia Laqus (antiga M2M) está conversando com mais de um fundo e se prepara para abrir uma rodada de investimentos com o objetivo de captar entre 4 e 5 milhões de dólares. A operação deve ocorrer entre março e abril de 2021 e a porcentagem a ser colocada no mercado dependerá das ofertas dos investidores.

A companhia que produz software de gestão para operações financeiras e tesouraria recebeu no final de 2013 aportes de dois fundos de Venture Capital brasileiros, entre eles a KPTL. Responsável por cerca de 50% do mercado de Certificado de Recebimento do Agronegócio (CRA), a M2M foi autorizada em dezembro pela CVM como a única companhia além da B3 a atuar como Central Depositária de CRAs.

“Pretendemos competir com a bolsa no mercado de renda variável em um prazo de 2 a 5 anos, dependendo do quanto o mercado demandar”, diz o CEO Rodrigo Amato. No curto prazo, a ideia é avançar a atuação para CRIs (Certificado de Recebíveis Imobiliários) e debêntures. Em três anos, a expectativa é de faturar de 25 a 30 milhões de reais por ano com os serviços oferecidos.

Fonte: Veja.

Ficou com Dúvidas?

Entre em contato hoje mesmo e comece a otimizar a gestão financeira da sua empresa. Os especialistas da Laqus estão à disposição para ajudá-lo a crescer de forma sustentável e organizada.

Acompanhe:

Endereço: Av. Pedroso de Morais, 433 - 9º andar - São Paulo - SP - E-mail: contato@laqus.com.br

O seu endereço de e-mail será usado com a finalidade de uma oportunidade, notícia sobre nosso ecossistema
e contato da Laqus. encarregado pela LGPD para: Laqus Ltda - Thaís Xavier - Telefone: (11) 3522-4022